Resenha: O Inimigo do Mundo

Quando ouvi dizerem que Leonel Caldela era o Bernard Cornwell brasileiro, admito que não levei muita fé. Sou uma grande fã de Cornwell (tenho até foto do lado do velhinho!) e neófita em Tormenta, e tudo o que conseguia imaginar era um Holy Avenger com parede de escudos. Entretanto, com o Caçador de Apóstolos bombando a um tempo e o começo da mesa do Edu Guimarães, porque não? Felizmente, fui surpreendida!

Somos apresentados primeiramente a uma Glórienn desolada e enfurecida, humilhada após a destruição de Lenórienn. A história dela, vagando entre os domínios dos deuses para conseguir sua vingança, dá uma visão de dentro de como os deuses se relacionavam uns com os outros e sua visão sobre a Aliança Negra e a vinda da Tormenta.

A busca de Glórienn é paralela à saga dos protagonistas: Vallen (guerreiro e líder do grupo), Elisa (arqueira e namorada de Vallen), Rufus (mago inseguro e frustrado), Andilla (bárbara das Mts. Uivantes), Nichaela (doce clériga de Lena), Gregor (paladino de Thyatis), Ashlen (ladino), Masato (samurai de Tamu-ra) e Artorius (minotauro clérigo de Tauron). O grupo foi contratado para encontrar o Albino: um misterioso assassino aparentemente invencível. De início, a missão parece simples… Até que tudo começa a dar errado, culminando no evento mais importante do cenário.

Inimigo do Mundo é um desses livros que te comem o horário de estudo, é difícil de largar. Fora a história, o que mais me atraiu foi a evolução e a veracidade dos personagens. A história não é “preto no branco” e seus personagens também não, o que lhes caracteriza como pessoas reais, cativantes, com seus defeitos e suas qualidades. Você pode começar gostando mais de um deles, mas então os outros começam a crescer aos seus olhos e no fim todos parecem seus preferidos!

Não podia faltar a inserção de vários elementos de RPG. Uma das coisas que me chamou a atenção foi o drama do mago Rufus, que desenvolveu uma quase síndrome de pânico ao esquecer suas magias memorizadas no início do dia, após conjurá-las. Uma situação comum em uma mesa de RPG, mas nunca tinha pensado o quão absurdo deve ser para uma pessoa passar por uma situação dessas… Além disso, também são inseridos elementos mais adultos, como no passado de Elissa e na história de Izzy. E uma aparição do Mestre Arsenal de bônus! Por falar em bônus, a 2ª edição do livro também veio com ilustrações extras no final.

Isso me leva a uma conclusão: se alguém vier falar pra você que Tormenta é coisa de criança, não acredite. A Trilogia Tormenta é o cenário do “trio clássico” levado a um patamar mais adulto, emocionante e épico. Para mim, foi algo inesperadamente bom, que me deu muita pena de terminar. Uma história trágica, mas que vale muito à pena ser lida.

Então, digo que concordo. Caldela é o Cornwell brasileiro, e isso é um elogio daqueles! Estou ansiosa para ler o próximo livro, O Crânio e o Corvo, que parece prometer muito.

lit-idm2_g

Contra-capa

Título: O Inimigo do Mundo (2ª Edição)

Autor: Leonel Caldela

Editora: Jambô

Formato: 15,5 x 23 cm, 464 páginas, brochura

Preço: R$ 49,00

As imagens usadas neste artigo pertencem a Jambô Editora.

6 thoughts on “Resenha: O Inimigo do Mundo”

  1. rafero says:

    Trágico indeed haha
    Mas realmente, é praticamente obrigatório a todo fã de fantasia medieval. Tô na expectativa pra ser lançado lá fora também =)

  2. Luis Paulo says:

    Um livro impressionante, muito bem escrito e com uma história de qualidade.
    Sem dizer que nos mostra uma visão de arton muito bem detalhada.

  3. Di Benedetto says:

    E aí Luiza! Bem vinda e pode tratar de escrever mais aqui pro AdT! =)

    Pra mim foi o caminho inverso, o Caldela que me levou pro Cornwell.

    O Idm é muito bom mesmo. Ainda estou devendo os outros dois.

    Já sei praticamente tudo o que acontece via boato de taverna, mas preciso ler. Devem ser a minha próxima compra. (Talvez junto com o Guia da Trilogia)

    1. metalgeisha says:

      É, eu também fiquei sabendo de umas coisas que acontecem, então acabaram com algumas surpresas que eu teria… Mas vou começar a ler logo XD

  4. Uelerson Canto says:

    Sem palavras para a resenha, faço das suas minhas palavras!

    Até por que só me interessei por Tormenta depois que li o “Inimigo do Mundo”, após Isso sou quase tiete do Leonel, ai virei jogador e agora mestre nesse cenário tão maravilhoso. Bom nunca tive verdadeiramente uma visão infanto – juvenil de Tormenta, até por que só conhecia D&D e não jogava nada, mas aconselho (pegando carona na ótima resenha da Luiza), para os demais a fazerem o que fiz, logo após ler o romance (ou antes mesmo ta esperando o quê), leia o “Reinado”, pois lá também existe historias maduras e divertidas para enriquecer o mundo de “Arton”, como o mesmo Caldela fala “que não era fã do cenário antes de ler o próprio” uma historia em que um reinada junta um puta exercito pela primeira vez e perde e muito foda.

    Luiza parabéns, sem muitas palavras seu post ficou foda!

    Menina não perca tempo, Crânio e o Corvo e Terceiro Deus são tão bons ou melhor que o IdM.

  5. metalgeisha says:

    Muito obrigada a todos que gostaram da resenha x3 Espero poder postar a próxima logo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: